quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Tropico: Lana Del Rey Vive Uma Vida de Pecado e Redenção em Seu Curta-Metragem e Anuncia Novo CD!


Desde 2012, quando apresentou para a mídia o seu álbum de estreia Born To Die, Lana Del Rey viu seu nome ser o assunto mais comentado do ano, fosse para os elogios ou para as críticas - essas em especial, apostavam que a patricinha de Nova York seria uma one hit wonder e logo sumiria da mídia. Um ano depois e com dois cds lançados,  Lizzy Grant não conseguiu emplacar um, mas sim oito singles nas paradas musicais, teve ótimas produções em seus videoclipes, saiu em turnê ao redor do mundo, ganhou muitos prêmios e conseguiu deixar sua marca. Mas ainda assim o mundo parecia ser pequeno para ela.

Lana já tinha se aventurado em quase todas as áreas que sua carreira havia lhe permitido quando surgiu a ideia de fazer o curta-metragem intitulado Tropico, como forma de mostrar seu amadurecimento durante o pouco tempo de carreira. Em seu clipes, a cantora sempre priorizou o conteúdo histórico e temático, vivenciando várias personagens ao longo de seus trabalhos e com Tropico não poderia ser diferente. 

O curta aborda o tema bíblico do pecado e redenção, onde o modelo Shaun Ross é Adão e Lana Del Rey interpreta Eva, que ao serem banidos de um jardim do Éden habitado por Elvis Presley e Marylin Monroe, passam a viver uma vida complexa repleta de perdições na cidade dos anjos, em Los Angeles, onde dentre os vários interlúdios apresentados durante o curta, declama : "As melhores mentes da minha geração foram destruídas pela loucura".

Dirigido por Anthony Mandler ("National Anthem" e "Ride"), Tropico é um curta-metragem escrito pela própria cantora e dividido em três partes que se desenvolvem sob as letras das canções "Body Eletric", "God and Monters" e Bel Air", utilizando os mesmos conceitos de Born To Die, como a perda da inocência e o bem contra o mal. Composto de uma ótima trilha sonora, Lana (cada vez mais incrível e sensual) faz Tropico parecer aquele filme ao qual estivemos esperando o ano todo e cumpre bem o prometido, fechando 2013 com chave de ouro, completando mais uma temporada com a popularidade em alta. Confira:



E para quem não aguentava mais de ansiedade por novidades na carreira de Laninha, a cantora que havia dito estar desmotivada e sem inspiração para um novo disco, parece ter encontrado uma luz no fim do túnel. Pelo visto, a passagem da cantora por diversos países (incluindo o Brasil onde ela foi uma fofa e surpreendeu todo mundo com sua presença de palco) e a proximidade com seus fãs, foi o fator dominante para que ela desse o pontapé inicial para um novo trabalho. E hoje, durante a estreia de seu curta-metragem em Hollywood, Lana Del Rey se despediu oficialmente da Era Born To Die e confirmou Ultraviolence como seu terceiro álbum de estúdio, sem fornecer ainda mais informações ou data de lançamento.