segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Lady Gaga emociona, Beyoncé destrói, Bruno Mars arrasa e Coldplay comparece no Halftime Show do Super Bowl!



A noite do último domingo (07) entrou para a história com o Super Bowl, evento que marca a grande final do campeonato da liga de futebol americano, chegando a sua quinquagéssima edição com a vitória dos Broncos sobre os Panthers que conquistaram o título pela terceira vez enquanto seus rivais seguem com a vontade de levar a melhor no campeonato como principal item de sua wishlist já que nunca o fizeram.

Além do enfoque esportivo, o Super Bowl é um evento que conta com um grande apelo publicitário, tendo em vista a sua grande audiência e alcance a nível mundial. Disputados que só eles, os intervalos comerciais da grande final do campeonato americano sempre nos brindam com o que há de melhor (e pior) na cultura pop americana em termos de publicidade.

Como todo evento americano que se preze, o Super Bowl também é palco de uma das apresentações mais aguardadas para os amantes da música pop. Todo ano, um grande artista ou banda é escolhido para se apresentar no Halftime Show, que, em tradução livre, seria algo como Show do Intervalo. Esse ano, a atração escolhida foi a banda Coldplay, mas, antes de falar da performance dos caras, gostaria de abrir um parêntese para Lady Gaga e a sua apresentação majestosa do hino nacional americano que aconteceu logo no início do evento. Confira:


Só mesmo a Gaga pra imprimir algum tipo de personalidade na execução do hino nacional americano que, de tão sóbrio e melancólico, meio que apaga o brilho de qualquer um que ouse cantá-lo. Cês também sentiram uma vibe meio Mariah Carey por parte da Stefani? Dedinho pra cima, falsete... HAHAHA. Brincadeiras à parte, ainda este mês teremos apresentações da Mother Monster no Grammy (dia 15) e no Oscar (dia 28). Não tá fraca, não!

Agora voltando para a atração principal. O Coldplay não tava prometendo muito e, diferente das atrações dos últimos cinco anos, os caras não estão tão em voga assim. Sabendo disso, os mesmos não pensaram duas vezes antes de convidar duas das atrações de maior sucesso e audiência dessa última meia década de Super Bowl: Bruno Mars e Beyoncé.

É, mas acabou que, não só o Coldplay, como o Bruno Mars, que chegou acompanhado de ninguém menos que Mark Ronson, acabaram sendo total e completamente eclipsados pela mãe de Blue Ivy (novidade, cadê?). "Viva La Vida", "Paradise" e "Adventure Of A Lifetime" foram as faixas escolhidas pelo Coldplay para abrir o que eu apelidei carinhosamente de pré-show. É, porque a apresentação só começou de verdade quando o Bruno Mars botou os pés no palco com a sua "Uptown Funk" seguido de Beyoncé e seu exército de dançarinas que não tardaram a entrar em "Formation" ali no meio do campo mesmo. Aprende Chris Martin!

Logo na sequência, um pequeno trecho do instrumental de "Crazy In Love", um dos maiores hits da carreira de Beyoncé, serviu de interlude para que todos se encontrassem no palco principal e começassem a fazer um legítimo pot-pourri de faixas que eu só consegui listar depois de assistir a apresentação pela décima vez. Foram elas "Clocks", "Fix You", "Midnight", "Beautiful Day", "Purple Rain", "Independent Women", "Just the Way You Are" e "Up & Up". Essa última parte me fez lembrar das apresentações do meu coral do colégio. Ah, não posso esquecer de comentar também o fato da Beyoncé ter passado boa parte dos momentos finais da performance empurrando o Chris, que insistia em ficar atrás dela e do Bruno, pra frente do palco, como quem disesse: - O show é teu, criatura. Toma a frente aí! Rainha negra . Confira: