terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

O silêncio e a dor que sucedem o adeus em ''If I Get High'', novo clipe do Nothing But Thieves!



Apesar do Nothing But Thieves existir desde 2012, eu só vim conhecer os caras, de fato, no final do ano passado, quando eles se apresentaram no VEVO Halloween, um festival anual de Dia das Bruxas onde a mais importante plataforma de vídeoclipes do mundo reúne algumas das revelações de maior destaque do LIFT, um programa da VEVO voltado para a descoberta e promoção de artistas que tem tudo para emplacar no mundo da música.

Assinada desde 2014 pela RCA, a banda lançou pouco antes dessa apresentação o seu autointitulado álbum de estreia, que já contou com uma série de singles divulgados, como "Graveyard Whistling", "Ban All The Music", "Itch", "Trip Switch", "Wake Up Call" e "If I Get High", mais nova música de trabalho do quinteto de rock alternativo britânico, que acaba de ganhar seu vídeoclipe.

Não muito diferente da música, o vídeo chega com uma proposta pra lá de melancólica, onde um rapaz perde total e completamente o rumo da vida após a morte de sua mãe. Assim como ele, seu pai também tem sérias dificuldades para superar o ocorrido, fazendo com que ambos se isolem e tentem, cada um à sua maneira, lidar com a dor. Daí, enquanto o pai mete as caras no trabalho (e na bebida), como que numa tentativa desesperada de ocupar a mente com alguma coisa que não sejam as lembranças de sua falecida esposa, o filho acaba partindo para o caminho das drogas, mas, não para esquecer, e sim para tentar, entre uma tragada e outra, ver a sua mãe outra vez.

Nesse meio tempo, o relacionamento dos dois vai ficando cada vez mais frio e distante, ao ponto deles se encontrarem apenas em situações rotineiras, como o jantar, por exemplo. Vendo assim parece até que não pode ficar pior, né? Mas pode sim! Especialmente quando o pai descobre que seu filho está usando drogas. Sem saber que aquela está sendo a válvula de escape de seu filho, o cara não pensa duas vezes antes de agredi-lo, fazendo com que ele se sinta ainda mais vulnerável e arrasado. A essa altura do campeonato, será que ainda existe alguma coisa que possa fazê-lo se sentir pleno outra vez? Ficar chapado, talvez... Confira: