quinta-feira, 7 de abril de 2016

5INCO: Artistas e seus melhores comebacks!



Artista que é artista sabe bem a sensação de um dia estar no topo e outro no ostracismo até por que, toda carreira tem seus altos e baixos, independente de quão boa a pessoa seja.

Pensando nisso, separamos os cinco comebacks que marcaram a carreira de grandes artistas, seja por trazerem uma versão melhorada deles, um último grande hit devido a problemas com a gravadora ou até mesmo uma recomeço após um período difícil com problemas pessoais.

Essa lista não se trata apenas de números e charts, mas também do tipo de trabalho lançado, a história por trás dele e a exposição positiva que obtiveram na época. Confira:

5inco. Jennifer Lopez - Love?

Apesar de ter colhido sucesso atrás de sucesso em todos álbuns que lançou, J.Lo sentiu um pequeno declínio em sua carreira ao lançar o álbum Brave. O motivo? A produção teve baixa vendagem, somando o total de 650 mil cópias vendidas no mundo. O feito fez com que a diva latina do Bronx tirasse um tempo e depois de muito lança-não-lança finalmente veio o Love?, disco que a catapultou como uma das melhores hitmakers de sua geração. Com sample da "Chorando Se Foi" e parceria com o rapper Pitbull, "On The Floor" pegou o número 1 em 29 países e sozinho vendeu mais que o cd todo, rs. Os outros singles que vieram também tiveram boas posições, críticas e execuções nas rádios, trazendo um frescor e uma consolidação ainda maior para a carreira da jurada do American Idol.


qu4tro. Hanson - This Time Around

Crushes de 10 entre cada 10 adolescentes dos anos 90, o trio estourou de todas as formas possíveis logo quando se lançou. Seus singles foram bem, seus clipes estavam sempre entre os mais pedidos na MTV, eles estampavam praticamente todas as capas de revistas adolescentes e seus shows estavam sempre lotados em todos os cantos do mundo. Tava tudo indo tão bem que o medo era de que os Hanson não repetissem essa fórmula do sucesso em nenhum outro trabalho.

Até que veio This Time Around, que após o sucesso de Middle Of Nowhere seria meio impossível bater a marca de 10 milhões, certo? Certo. Pois apesar de ter vendido apenas 1 milhão de cópias, o novo álbum dos caras não chegou necessariamente a flopar, pois foi um sucesso de crítica. As baixas vendas se deram mais por causa da fusão que a gravadora deles passava na época, o que fez com que verba necessária pra que eles fizessem uma boa divulgação não fosse liberada, tanto que pra concretizarem a turnê naquele ano, o trio teve que tirar dinheiro do próprio bolso, acredita?

This Time Around chegou com uma vibe mais classic rock e baladinhas e mostrou o crescimento pessoal e profissional de Taylor, Isaac e Zac, tendo seus singles encabeçando novelas ("Save Me" fez parte da trilha de Laços de Família) e seus clipes protagonizando novamente as paradas da Music Television. Ou seja, a vendagem pode ter sido ~baixa~, mas este foi o último grande álbum de sucesso do trio em termos comerciais, ou vem me dizer que você (que não é fã) sabia que eles já lançaram mais quatro álbuns depois desse?



tr3s. Mariah Carey - The Emancipation Of Mimi

O maior nome dessa lista (até porque ela tá na ativa desde os anos 80), Mariah vinha passando por uma onda de azar  desde 2001 que incluia término de relacionamento, falecimento do pai e o fiasco do filme Glitter seguido pelo álbum de mesmo nome. O resultado disso? A vocalista acabou indo parar no hospital por estafa e debilitação emocional.

Já em 2002, Mariah resolveu voltar e lançou o Charmbracelet, que até teve uma boa recepção, mas ainda faltava aquele borogodó pra estourar novamente, sabe? Até que três anos depois, a cantora indescritível apostou todas suas fichas em The Emancipation of Mimi, que, adivinhem só? Espantou todo o ebó de sua vida, voltando a vencer.

O sucesso do álbum foi tanto, que ela se tornou a primeira artista feminina a ocupar duas vagas no Hot 100 da Billboard, sendo "We Belong Together" a número 1 respectivamente seguida por "Shake It Off". No total, Emancipation vendeu 12 milhões de cópias, abocanhando vários prêmios e quebrando recordes atrás de recordes para Mariah.


2ois. Britney Spears - Circus

Apesar do famigerado Blackout ter tido criticas favoráveis e ter sido bem aceito pelos fãs, todo mundo sabe que a princesinha do pop tava passando por maus bocados na época do lançamento do cd e por isso ele nao teve a divulgação merecida, com clipes meia-boca e ótimos singles desperdiçados.

A tarefa de redenção e superação dos maus bocados ficou por conta de Circus, que foi lançado apenas um ano após o colapso de Britney. Durante esse ano, um trabalho árduo foi feito afim de manter a cantora longe das polêmicas e reconstruir sua imagem, apostando em singles chicletes e em uma faceta angelical e serena, mas sem perder a vivacidade pop que a consagrou.

"Womanizer" veio pra mostrar uma Britney saudável e emponderada, e logo a música atingiu o topo da Hot 100 da Billboard, resultando em uma turnê e inúmeras aparições, feito que tem perdurado até então no longo dos anos, já que a cantora tem conseguido levar uma vida "normal" se comparada com o que ela chegou a passar, né?



1m. Christina Aguilera - Stripped

Antes de Bionic ter sido sequer lançado, Christina Aguilera nunca tinha experimentado o gostinho do flop em sua carreira, mas vinha bem desgostosa e insatisfeita com a imagem que seu empresário havia criado para vendê-la no mercado. Cansada de pagar de santinha, a cantora tratou de demitir o profissional, mas não antes de fazer uma bela polemicazinha ao processá-lo por influência imprópria, indevida e inadequada sobre suas atividades profissionais, e como se não fosse o bastante, por fraude também.

Passado o bafão, Christina introduziu a era Stripped, que viria a ser o melhor álbum de sua vida (até o presente momento). O trabalho veio como um novo começo e uma re-introdução dela como artista, criando uma imagem provocativa com cabelos escuros e piercings e aderindo ao nickname X-Tina. Seu empresário na época quis que ela lançasse "Beautiful" como carro-chefe, mas a loira quis chegar chegando e já meteu "Dirrty" nas nossas caras, e não deu outra: tanto o single quanto o clipe geraram controvérsia, sendo proibido na Tailândia pelo seu conteúdo sexual.

Mas a polêmica alheia não surtiu efeitos negativos, já que nas primeiras semanas de vendas o álbum logo alcançou a segunda posição do Billboard 200 e ainda ganhou o disco quádruplo de platina, totalizando mais de 12 milhões de cópias vendidas pelo mundo. Stripped foi tão certeiro que rendeu a Aguilera o Grammy de Melhor Performance Vocal Feminina Pop em 2004 e ainda conseguiu manter o sucesso e relevância nos singles posteriores "Fighter", "Can't Hold Us Down" e "The Voice Within".