domingo, 7 de agosto de 2016

O clipe de "Make Me" da Britney Spears foi regravado... e a culpa é nossa!



Britney Spears sempre foi uma artista ousada e à frente de seu tempo. Aliás, não só foi como continua sendo. E o clipe de seu mais novo single, "Make Me", atesta exatamente isso. Envolto a uma série de controvérsias, o vídeo, lançado em sua conta oficial na VEVO/YouTube na última sexta-feira (05), foi alvejado por criticas negativas por destoar total e completamente da versão hipersexualizada que nós tivemos acesso pouco antes do single ser lançado oficialmente, há mais ou menos 20 dias, quando o blogueiro Perez Hilton, pouco depois de receber o link do clipe de uma fonte que a vazou, não tardou em alardear meio mundo com o ocorrido, fazendo com que não só nós, como a equipe de Britney, ficasse de cabelo em pé. Na ocasião nós chegamos até a cogitar que o time da cantora estivesse por trás de tudo, mas, aparentemente, eles não só eram inocentes dessa acusação (porém culpados pela total falta de responsabilidade), como tiveram que ouvir poucas e boas de Spears e sua gravadora, que não tardaram em providenciar um novo roteiro para o clipe, que seria, então, regravado.

Uma das maiores qualidades de Britney enquanto artista sempre foi o fator surpresa. Apesar de hoje em dia algumas de suas decisões serem consideradas previsíveis, até porque a gente já a conhece e acompanha sua carreira há quase 20 anos, ela sempre traz algo de novo, seja em sua música, vídeoclipes, apresentações, turnês e etc. E o que é para alguém que ganha a vida surpreendendo as pessoas ter um trabalho de milhões sendo esposto web afora pelo preço de um clique, curtida ou retweet? Nada menos que decepcionante. Nós, enquanto público alvo, vibramos com a menor das novidades e compartilhamos a informação sem pestanejar, uma vez que estamos ansiosos e sedentos por algo explosivo, digno das estrelas do primeiro escalão da música pop. É, mas uma coisa que a gente não pensa na hora que está replicando um conteúdo ainda não lançado oficialmente, é que nós estamos prejudicando, não só nossos artistas favoritos, como a nós mesmos.

Muito foi dito sobre o fato de Britney ter regravado o clipe de "Make Me" por sua primeira versão ser hipersexualidada, mas e a segunda, não é? Em ambas Spears aparece trajando apenas lingerie com a polpa de seu famoso derrière à mostra, sensualizando com caras sarados e simulando relações sexuais, tendo, como única diferença, a atmosfera do vídeoclipe, que foi de uma pegada fetichista e obscura para algo mais resplandescente e romantizado. Vendo assim parece que estamos tratando de dois conceitos completamente diferentes, mas, com exceção dessa atmosfera, as duas versões de "Make Me" vendem o mesmo produto e são praticamente iguais. Flerte e sexo são o que são, independente do plano de fundo. Quanto a coreografia, realmente foi algo que fez falta, mas isso a gente deixa pro VMA, até porque tudo indica que Britney finalmente fará o seu comeback à premiação enquanto performer esse ano. Quanto a versão do clipe de "Make Me" que acabou sendo adiada, cancelada ou postergada (ainda não sabemos ao certo) em benefício da que conhecemos, só nos resta esperar pra ver se algum dia ela verá a luz do dia ou se fará companhia a funeral version de "Gimme More" no limbo dos vídeoclipes esquecidos (pelos artistas, por nós jamais) e que fique a lição pra gente, porque, por mais inocente que ele se faça parecer, Perez Hilton foi e sempre será sinal de problema. Assista: