domingo, 11 de dezembro de 2016

Bon Jovi critica a manipulação artística da indústria no clipe de "The Devil's In The Temple"!



Essa nova era do Bon Jovi tá bem videoclíptica, né gente? É, porque, desde quando eles lançaram o seu décimo terceiro álbum de inéditas, que chegou às lojas em novembro passado, os fios já publicaram em seu canal na VEVO/YouTube o registro videoclíptico de nada menos que seis músicas. São elas a faixa-título "This House Is Not For Sale", "Knockout", "Labor Of Love", "Come On Up To Our House", "Scars On This Guitar" e, mais recentemente, "The Devil's In The Temple". E ó, não são clipezinhos meia-boca não, viu? Todos eles contam com um ótimo roteiro, produção e direção.

Um dos temas mais abordados nas músicas desse novo disco dos caras é o modo como a indústria insiste em moldar seus artistas à bel prazer. Daí o título, This House Is Not For Sale. A casa, no caso a banda, com sua identidade, características e personalidade, que não está à venda. Pra quem ainda não tinha captado a mensagem, o Bon Jovi lançou na última semana o clipe de "The Devil's In The Temple", que deixou este recado bem claro.

Dirigido por Frank e Ivanna Borin ("Gimme Sympathy", "What Happens Tomorrow"), o vídeo mostra uma banda de rock, liderada por uma garota cheia de atitude, gravando o seu primeiro vídeoclipe. Ao longo do processo, os empresários vão, de maneira nada delicada, dando vários pitacos, dizendo que a vocalista tem que ser mais sexy, ousada e pop, e, com a ajuda da equipe, fazem com que a fia acabe por perder a sua essência. Pra vocês terem uma noção, ela foi de Taylor Momsem a Ariana Grande (rola até uma paródia do clipe de "Side To Side") em questão de minutos. Tenso, né? Mas e aí, será que, no final das contas, ela aceitou bem as mudanças ou bateu o pé e manteve sua integridade? Confira: