terça-feira, 20 de outubro de 2015

Sia comanda exército de cosplays e faz crítica social e política no vídeo com letra de ''Alive''!



Ainda sem uma data de lançamento definida, This Is Acting, sétimo álbum de estúdio da cantora e compositora australiana Sia, já está dando o que falar. É que ela divulgou no final de setembro passado "Alive", faixa composta por ela em parceria com ninguém menos que Adele durante as sessões de seu terceiro disco de inéditas, que nós acreditamos que se chamará 25 (ou 26, ou 27, vai depender da coragem da fia). - Ué, mas se a música foi composta pro álbum da Adele o que é que a Sia quer cantando ela? Então, é que no último minuto, "Alive" acabou ficando de fora, fazendo com que a gente acredite que o novo álbum da britânica estará simplesmente sensacional, tendo em vista que uma faixa não só rica, como poderosíssima como essa não fez o requisito.

Produzida por ninguém menos que Jesse Shatkin, que além de já ter trabalhado com Sia na faixa "Chandelier", tem em seu currículo músicas de artistas como Dido, Ellie Goulding e Kelly Clarkson, "Alive" chegou com uma pegada libertadora, que, segundo a própria Sia, foi inspirada na vida de Adele e composta a partir de sua perspectiva.

Dando início aos trabalhos de divulgação da faixa de maneira oficial, a cantora lançou nesta terça-feira (20) o vídeo com letra de "Alive". Produzido pela galera da Chisel Pixel ("Black Heart", "Turn Up the Night") e dirigido por Lior Molcho, o lyric vídeo de estética urbana é apresentado por um exército de cosplays que, sob o comando de Sia, espalha a palavra da cantora por meio de pichações feitas cidade adentro. Que coisa feia, Dona Furler! É, mas, com um teor social e político, o vídeo, que chega em tom de crítica, fala através destas pichações sobre diversos problemas enfrentados pela nossa sociedade que, muitas vezes, passam desapercebidos frente a outros vistos como maiores, como a alienação exercida pelos meios de comunicação, a atenção demasiada dada a indústria do entretenimento e a ganância do homem frente a degradação cada vez maior do meio ambiente.  Ah bom, então assim, sim! Confira: