domingo, 7 de fevereiro de 2016

A autoafirmação, celebração e clamor pelas vidas negras de Beyoncé no clipe de ''Formation''!



A Beyoncé tá ficando craque nesse negócio de lançar novos materiais sem que ninguém esteja esperando! Primeiro foi o seu visual e auto-intitulado álbum lançado no final de 2013 e agora "Formation", faixa que chegou aos nossos ouvidos na tarde do último sábado (06) já acompanhada de seu vídeoclipe. Todo trabalhado na ambiguidade, o single, que foi disponibilizado para download gratuito no Tidal, bem como seu vídeoclipe, chega, essencialmente, com duas funções. Autoafirmar Beyoncé como uma das artistas mais relevantes da nossa geração (como se alguém ainda tivesse dúvida disso) e fazer um trabalho de emponderamento não só com a raça, mas com a cultura negra como um todo, que, como nós bem sabemos, tem sofrido bastante devido a questões envolvendo a segregação racial.

Assim como fez em seu último álbum de inéditas, Beyoncé não seguiu qualquer tipo de tendência para a concepção de "Formation", mantendo-se envolta apenas a elementos sonoros diretamente ligados ao movimento e a cultura negra. Mais autobiográfica do que nunca, a esposa de Jay Z fala na faixa sobre assuntos como a perseguição exercida peloshttps://www.youtube.com/watch?v=YQHsXMglC9A haters e pela mídia, bem como seu orgulho de ser uma mulher de cor que, apesar de fazer parte de um dos meios mais preconceituosos quando o assunto são padrões, faz questão de manter todos os traços e características de seus antepassados: Haters tolos e sua baboseira illuminati / Paparazzis sempre querem o meu melhor clique / Eu gosto do meu cabelo africano / Eu gosto do meu nariz à la Jacksons Five / Apesar de toda essa grana nunca perdi as minhas raízes / Você pode ser uma versão negra do Bill Gates em processo de construção.

Dirigido por Melina Matsoukas ("Work", "Rockstar 101") em parceria com a própria Beyoncé, o clipe de "Formation" clama pelas vidas negras que são perdidas todos os dias, seja pela falta de oportunidades ou pelo simples fato de serem negras, mas não nos moldes clássicos. Por aqui, a fia mostra que as pessoas de cor importam porque, assim como todas as outras, tem sonhos, desejos, aspirações e muito talento, garra e determinação para chegar onde quer que elas queiram. Com figurinos, locações e coreografias de cair o queixo, "Formation", que conta com a aparição pra lá de fofa de Blue Ivy Carter (sim, a filhinha da Beyoncé), é um verdadeiro tapa na cara daqueles que, em pleno 2016, ainda acreditam que um fator genético pode ser considerado como um elemento discriminatório (na real, nenhum fator é). À caráter de informação, todos os seres humanos são diferentes, nem mesmo gêmeos idênticos são completamente iguais, logo, já está mais do que na hora de colocarmos as nossas diferenças de lado e focarmos naquilo que nos torna semelhantes. Que tal começar com o fato de sermos todos seres humanos vivendo no mesmo planeta? Taí algo que absolutamente todos temos em comum! A vida dos negros importa, assim como a de todas as outras minorias que são perseguidas, discriminadas e diminuidas desde que o mundo é mundo. Como diria Inês Brasil: - Nós temos que ter carinho um com o outro. Quando essa, que é meio que uma versão repaginada do "novo mandamento" de Jesus, começar a ser colocada em prática por todos nós, podem ter certeza que o mundo será um lugar infinitamente melhor. Confira: